Quase Julia

Eu sou parecida com pelo menos umas 455 pessoas no mundo, quatrocentosecinquentaecinco sendo o meu número padrão de exagero. Todos nós temos um número padrão de exagero. A maioria das pessoas – as desinteressantes – acaba usando sempre um múltiplo de dez. Do tipo: “Tenho mil coisas pra resolver hoje!”ou “Já tentei te ligar umas cem vezes!” Eu não. Eu uso 455, porque acho que soa melhor – e porque sou única, mimada e egoísta. Quero ter um número padrão de exagero só pra mim. Mas esse nem era o assunto.

“O” assunto, que nem é tão importante assim, é a minha semelhança com outras quatrocentasecinquentaecinco pessoas no mundo, e o fato de que grande parte delas se chama Julia. Ou isso ou eu provo a Teoria da Atração.

Tudo começa, como de costume, no dia do meu nascimento – ou até um pouco antes. Meu avô queria muito que eu me chamasse Julia, não me pergunte por que. Minha mãe gostava do nome e deu a entender que era uma opção, mas o talvez dela soou como um com certeza nos ouvidos de vovô, e ele saiu espalhando pra deuseomundo que eu me chamaria Julia. Assim, quando eu finalmente vim a existir, mamãe recebeu uma meia dúzia de cartões felictiando-a pelo nascimento da Julia. Se eu disser que herdei dela muito do meu temperamento, vocês já podem concluir que ela se emputeceu e resolveu que não seria Julia coisíssima nenhuma – e assim eu virei Alice. Sou Alice, mas sou quase Julia.

E essa poderia ser uma historinha quase sem graça, não fosse o fato de que as pessoas erram o meu nome o tempo todo, e em 90% dos casos eu viro Julia. Não me chamam de Elise, Clarisse, nem de qualquer outra coisa que rime com Alice. Me chamam de Julia. E tem gente que persiste no erro. Semestre passado um professor chegou a ficar constrangido, porque mesmo que a turma o corrigisse o tempo todo, ele só conseguia me chamar de Julia. É como se o meu nome fosse um erro, e a verdade (que eu me chamo Julia) ficasse estampada na minha testa 24 horas por dia.

Mas não para por aí. Além de errarem o meu nome o tempo todo, as pessoas também costumam me achar parecida com alguém. Sempre. Quando me apresento pela primeira vez para um grupo de pessoas, já vou logo ensaindo o sorrisinho amarelo (que vou ter que repetir quatrocentasecinquentaecinco vezes) em resposta à célebre “Nossa, mas eu tenho uma amiga (uma prima, uma tia, uma ex-peguete, uma colega de trabalho) que é muito parecida com você”. Aposto que são todas Julias.

Tenho certeza de que a teimosia de mamãe deflagrou uma espécie de confusão no cosmos. Eu nasci Julia e fui registrada Alice, e aí virei uma identidade meio amorfa. Nem Julia, nem Alice. Perdi os traços característicos das duas e virei uma generalização. Posso ser qualquer uma. Isso explica o fato de que nunca um corte de cabelo ficou genuinamente ruim em mim. Posso cortar e pintar de qualquer jeito que as pesoas sempre vão dizer “Nossa, ficou ótimo, parece que você nasceu assim”. Eu mudo mudo mudo e ninguém se incomoda, porque não há nada que marque a minha fisionomia. (Não vou dizer que sou camaleoua porque acho brega, mas é por aí).

Pode parecer meio esquizofrênico – e de fato é – mas vinte e poucos anos depois não há nada melhor do que ter uma opção para aqueles dias em que ser Alice é muito complicado. Fora que a cara de confusão mental das pessoas quando me chamam de Alice e ouvem um “quase” como resposta é recompensa mais que suficiente pra toda essa falta de identidade própria.

Anúncios

Sobre L.

sou desesperadamente alice Ver todos os artigos de L.

5 respostas para “Quase Julia

  • Ju

    hahahaha adorei o final!! “Alice!” “-Quase!”
    muito bom!
    Beijos da quase beatriz

  • Bruno Mareto

    Sei que o ponto não é esse e, hoje, mais do que nunca, sei bem quem você é. 🙂

    Porém: você aí, lutando pra ser Gente, consegue sobrar pelos cantos desse blog. E a Julia? Ela já falou? Por quê? Esquizofrenise-se de uma vez! Você já sabe bem onde mora a ilusão de ser você mesma – por mais longe que vá, pode sempre voltar. Não?

  • Julia Zanotelli

    Sem sombra de dúvidas, não tinha melhor nome pra mim do que Julia mesmo. Todas as que eu já conheci nessa vida, tem a personalidade fortíssima, que dá até medo. e sabe o que é mais engraçado? pelo menos duas vezes na semana alguém erra meu nome e me chama de Juliana!! ai, ódio!
    :**

  • Nanda Barreto

    Fiquei sorrindo enquanto lia o texto. Isso pq eu estou no trabalho, senão teria dado umas boas gargalhadas. 1_Adorei isso do padrão de exagero, nunca tinha visto isso dito assim por alguém. E, sempre!, que eu penso em exagero eu penso em 856, rsrs, não me pergunte pq, agora simplesmente sei que alguém me entende. E às vezes eu falo “mil” pra simplificar, pq algumas pessoas ficam perguntando: “mas pq 856?”. Nesses momentos, me sinto ficar mesmo desinteressante, mas é pra passar logo. Às vezes é muito cansativo dar essas explicações. 2_ Todo, TODO, lugar que eu chego alguém conhece alguém parecida comigo. Sempre achei isso irritante e a comprovação de que eu tenho a cara comum. Depois eu percebi que as pessoas não reparam muito assim. O que é parecido? Às vezes é só o estereótipo, cor de pele e cabelo, olhos, textura, altura. Ou um ou dois intens combinados.. Ou não. Não sei mais. Ainda bem que seu nome é Alice, pq é lindo. * 3_Quando li pensei a mesmo coisa que esse seu amigo: Deixe sair a Júlia, fiquei imaginando a voz dela, o que ela, a original, teria a dizer.
    Beijos, e me deu vontade de reativar o ‘E lá vai deus’.. rs

    • L.

      Da próxima vez que alguém te perguntar “Mas por que 856?” você responde, séria: “É o meu número padrão de exagero.”

      E sim, saudades infinitas do E lá vai deus. Vamos tentar!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: